A alcaparra (Capparis spinosa) é uma planta originária da Ásia. É um arbusto baixinho da família das caparídeas, cujo fruto é conhecido pelo nome de como alcaparão.
As alcaparras são os botões das flores desse arbusto que cresce pouco e tem folhas espessas e arredondadas. As flores se abrem cedo de manhã e murcham em menos de 6 horas. Os botões desta flor têm sido usados desde os tempos bíblicos. Sempre muito cultuadas em pratos finos, na antiguidade, as alcaparras faziam parte da mesa das classes mais altas.

Elas crescem ao longo do Mediterrâneo, principalmente na Espanha, França, na região da Sicília e na Grécia, em clima seco e quente e têm de ser colhidas manualmente, o que encarece seu preço. Não há muitas informações sobre seu cultivo no Brasil.
Seus pequenos arbustos são checados a cada manhã, à procura de novos botões prontos para desabrochar. As plantas iniciam a produção 3 a 4 anos após o plantio e podem sobreviver por até 20 anos, produzindo de 1 a 3 quilos por planta ao ano de botões florais novos. Para que ocorra boa produção, os ramos velhos devem ser podados, para provocar novas brotações, pois o florescimento ocorre em ramos novos todo ano.


Os botões são colhidos e colocados em conserva e quanto menores eles forem, serão mais caros e mais apreciados. Uma vez colhida, a alcaparra é exposta ao sol durante um dia para perder um pouco de água.
Logo após as alcaparras são colocadas em vasilhas de vidro ou madeira e cobertas com vinagre, na proporção de 1 kg de alcaparras para 1 litro de vinagre de boa qualidade. Coloca-se uma placa na superfície com um peso em cima para manter as alcaparras submersas no vinagre. Algumas pessoas gostam de adicionar um pouco de sal no vinagre para acentuar o sabor.
As alcaparras têm gosto picante e perfume característico. São ótimas para temperar molhos, peixes, carnes e filés de anchova. São indispensáveis no tão conhecido molho tártaro e também no Steak tartare.


Na França, são amassadas para aromatizar o molho branco. Possui sabor forte, portanto, devem ser usadas com moderação. As alcaparras são também utilizadas em molhos frios, carnes frias, peixes cozidos e saladas. Para os molhos, as mais valorizadas são as de tamanho pequeno, que não precisam ser picadas.
Ao contrário da maioria dos temperos, as alcaparras guardam seu aroma e seu sabor depois do cozimento e se misturam muito bem com a cebola e azeitonas para caracterizar os pratos mediterrâneos.
Não se recomenda colocar as alcaparras no início do cozimento, pois seus sabores se perdem. A alcaparra conservada no sal, antes de ser usada nas receitas, deve ser lavada sob o risco de salgar os pratos.

O princípio ativo mais importante da alcaparra é o ácido cáprico, que possui uma ação estimulante do apetite além de auxiliar a digestão. Pessoas hipertensas devem consumi-las com moderação, por serem conservadas no sal.
Os botões de suas flores são ricos em cálcio, ferro e fósforo e 100 gramas de alcaparra fornecem 35,2 calorias.


Como valor nutritivo, ela contém vitamina C, sais minerais (cálcio, magnésio), pigmentos, fibras vegetais, proteínas, carboidratos e é considerada estimulante de apetite e digestiva.
É fonte de vitaminas C e K, fibras, sais minerais, proteínas e carboidratos. Dentre os teores de micronutrientes, merece destaque o sódio, e, em muito menor grau, o ferro.
Antiespasmódico, cicatrizante, tônico fortalecedor dos vasos capilares, o extrato de alcaparra é indicado para lavar úlceras e feridas, pois tem a propriedade de limpar os tecidos necrosados favorecendo a cicatrização.

Comments are closed.