Imaginem que esta árvore já estava neste lugar 1000 anos antes de Colombo aportar no Novo Mundo. Ela já sobreviveu a incontáveis furacões, inundações, terremotos e interferência humana durante toda sua vida! O Angel Oak é um carvalho (Quercus virginiana), de uma espécie nativa encontrada em toda a Carolina do Sul nos Estados Unidos.
Esse carvalho é supostamente a árvore mais antiga da espécie e está localizado a leste das Montanhas Rochosas, numa área arborizada em Ilha John que pertence à cidade de Charleston. Estima-se que a árvore tenha mais de 1500 anos de idade. O carvalho do anjo é considerado o mais imponente e o maior de todos os da região.


Os carvalhos são conhecidos não por serem altos, mas por terem copas gigantescas.
O Angel tem uma altura de 22 metros, uma circunferência de tronco de quase 20 metros, e sua copa cobre 450m² de terreno. Seus galhos são tão grandes (o maior tem 27m), que encostam no chão para depois subir de novo. Para sustentá-los foram colocados cabos de aço e apoios. Sua copa imensa lembra a aura de um anjo, por isso seu nome.


A ilha onde se encontra foi o lar de comunidades de escravos libertados e seus descendentes durante anos após a Guerra Civil. Mais recentemente, começaram a transformar a ilha em uma comunidade de dormitórios para a cidade de Charleston. Isso causou bastante agitação entre os moradores locais e a natureza tranquila da ilha mudou rapidamente com o desenvolvimento comercial e residencial. O magnífico Carvalho Angel, cujos ramos frondosos proporcionaram sombra e consolo há séculos, está agora no centro de uma das controvérsias sobre o desenvolvimento da ilha.


O carvalho do anjo é considerado o ser vivo mais velho do leste do Mississippi. Esta árvore tem resistido furacões, guerra, pestilência, crianças pequenas gritando subindo seus ramos e ainda continua a proporcionar um abraço suave e amoroso para milhares de visitantes ano após ano.
A árvore é uma visão notável. Numa certa ocasião, a Companhia de Ballet de Charleston fez uma performance sob o carvalho e pôde esconder os 19 dançarinos atrás do tronco.


Geralmente o carvalho se transforma em ferramenta para botânicos e geólogos em suas medições dos infortúnios provocados pela natureza no meio ambiente.
Por incrível que pareça, quanto mais ele se sujeita às intempéries, mais fortalecido ele sai delas, pois suas raízes se arraigam ao solo a cada tempestade, seu tronco se revigora, e a possibilidade dele ser extraído do solo pelos temporais diminui drasticamente, até se tornar nula. O carvalho se embebe de todas as consequências dos temporais e, assim, adquirem um aspecto desproporcional, exatamente como um ser que tivesse realizado um grande esforço ao longo de sua constituição. Chegam mesmo a parecer entristecidos.


Por esta razão o carvalho é constante fonte de referência para os espiritualistas, pois com seu papel na Natureza acaba se transformando em metáfora de resistência e resignação, uma vez que, a cada assédio das forças naturais ele não se revolta, nem desanima, mas procura triunfar sobre os obstáculos.
Existe agora uma preocupação real em relação ao carvalho Angel, por conta do avanço da urbanização na ilha. Essa é uma variável diferente que não faz parte dos infortúnios da natureza que o carvalho Angel enfrentou até hoje…

Comments are closed.