A Monsanto, empresa norte-americana de biotecnologia agrícola conhecida por produzir alimentos transgênicos, está testando um tipo de terapia genética para flores. De acordo com a marca, por meio da engenharia genética reversa, que impede a destruição natural das células, foi possível estender a vida das plantas. A patente fala especificamente de rosas, petúnias e cravos, o que impulsionaria o mercado de floristas, reduzindo drasticamente o desperdício. A notícia também é boa para os amantes de flores, que verão elas durarem por muito mais tempo nos vasos. O novo desafio da empresa é testar formas menos radicais de modificar os organismos temporariamente, ao invés de alterar o DNA das plantas permanentemente.


Certos tipos de flores produzem o hormônio etileno depois que desabrocham e isso causa o efeito de murchar. Isso acontece porque a função das flores é chamar a atenção dos polinizadores para que as plantas se reproduzam. Depois que o inseto polinizador passa pela planta, ela perde muito mais energia pois já gasta bastante para se manter viva, assim o etileno começa a ser produzido para derrubar as pétalas.


A técnica da Monsanto para atrasar o processo de envelhecimento das flores é usar proteínas contendo informações genéticas para substituir a produção de etileno nas flores. Essas moléculas serão absorvidas através de cortes no caule ou da água colocada para regar.
Antes disso, os pesquisadores da Monsanto tentaram produzir um pigmento que intensificasse a cor púrpura de uma petúnia, através de uma forma de modificação genética. No entanto, as alterações feitas ao DNA da planta são temporárias, o que evita críticas dirigidas a potenciais problemas inesperados no futuro.

O trabalho da empresa tem sido considerado controverso. Milhares de pessoas já saíram as ruas na Suíça até no Brasil para protestar contra a engenharia genética e o uso de pesticidas. Contudo, a Monsanto ressaltou a importância das pesquisas sobre a aplicação do processo e os benefícios que tem para a cultura de flores de corte e agricultura.

Comments are closed.