Você sabia que existem arbustos não lenhosos do tamanho de árvores de grande porte? Nos pastos dos Pampas na América do Sul há uma “árvore” chamada de Ombu (Phytolacca dioica L.). É a única árvore que vive nos Pampas, porque ela não precisa de muita água para sobreviver e é uma herbácea: não tem madeira no seu tronco.


É conhecida também por nomes como: Bellasombra, Fitolaca, Cebolão, imbu, umbu, maria mole e peúdo e pertence à família das Phytolaccaceae. O Ombú é uma planta de grande porte, com origem nos pampas da América do Sul, utilizada como ornamental nas zonas de clima mediterrâneo.
Apesar de apresentar morfologia arbórea, o Ombu é uma planta herbácea de grandes dimensões, não tendo madeira no seu caule. A planta forma uma copa com um perímetro de 12 a 15 m, podendo atingir uma altura de 12 a 18 m. Esta espécie tem um crescimento muito rápido, mas sendo uma planta herbácea, o seu caule é esponjoso, podendo facilmente ser cortado com uma faca. A sua seiva é venenosa, tendo um cheiro desagradável, pelo que a planta não é atacada por herbívoros e está imune aos gafanhotos e outros insetos esfoliantes. As suas características, em particular o engrossamento do tronco junto ao solo, fazem desta planta uma ótima espécie para utilização em técnicas de bonsai.

 

Ombú centenária na praça San Martín em Buenos Aires, entre as avenidas Alvear e Schiaffino. Essa árvore é tão grande que os galhos precisam de escoras para se sustentar.

O Ombu pode ser encontrado na Argentina, Brasil e Uruguai. Ele não precisa muita água considerando que há apenas 10 a 30 centímetros de chuva por ano em seu habitat natural. Essa quantidade de água não é suficiente para suportar uma grande quantidade de árvores e até mesmo as plantas Ombu são espaçadas por causa da disponibilidade limitada de água. As secas podem ocorrer nas pastagens, assim as plantas que crescem lá muitas vezes desenvolvem características únicas.


O Ombu muitas vezes tem vários troncos e é, às vezes, a única planta encontrada por quilômetros. Sua seiva é venenosa e as folhas não são consumidas pelo gado. O arbusto é coberto com brilhantes folhas verdes escuras. Tem flores verde-branco, que crescem em cachos longos. Os galhos inclinam-se a partir do peso dos frutos maduros que se desenvolvem a partir dessas flores.


Os enormes troncos do Ombu, resistentes ao fogo, contêm tecido de armazenamento de água, uma excelente adaptação para resistir aos incêndios de pastagens intensos que são comuns na região. Essas “árvores” tem bases alargadas em que armazenam água e são abundantes nas regiões pampas, crescendo naturalmente nestas áreas.


O Ombu também é conhecido como os “faróis” dos pampas, já que a “árvore” fornece sombra para os gaúchos (vaqueiros da América do Sul) e de outras pessoas que estão viajando através das pastagens. Às vezes, as folhas são usadas localmente para uma bebida quente. O ombú também é plantado em lugares como o sul da Califórnia como uma árvore de sombra.


O mais espetacular de característica destas árvores é o seu tronco (cáudice), grosso e irregular na base. O tronco e a base da raiz da planta adulta expande de forma monstruosa. Segundo a crendice popular, diz-se que qualquer pessoa que dorme sob um ombu pode estar sujeito à magia negra.
Recomenda-se cautela ao seu uso comestível. As folhas jovens e brotos podem ser cozidos e usados como um vegetal. As folhas não devem ser consumidas cruas e apenas as folhas jovens devem ser usadas, pois elas se tornam tóxicas com a idade. Os frutos são usados em geleias e compotas ou também são usados como um corante vermelho para alimentos.

Comments are closed.